BOLETIM
VACINAS
E NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO - Nº 32
PUBLICAÇÃO DO GIV - GRUPO DE INCENTIVO À VIDA - Fevereiro de 2019
Edição mais recente
Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Versão Completa

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir

PrEP
Estudo Demonstrativo
PrEP BRASIL: RESULTADOS DE 48 SEMANAS DE UM ESTUDO DE DEMONSTRAÇÃO
RETENÇÃO, ENGAJAMENTO E ADESÃO À PROFILAXIA PRÉ-EXPOSIÇÃO EM HOMENS QUE FAZEM SEXO COM HOMENS E MULHERES TRANSEXUAIS
Beatriz Grinsztejn, Brenda Hoagland, Ronaldo I Moreira, Esper G Kallas, José V Madruga, Silvia Goulart, Iuri C Leite, Lucilene Freitas, Luana MS Martins, Thiago S Torres, Ricardo Vasconcelos, Raquel B De Boni, Pedro L Anderson, Albert Liu , Paula M Luz, Valdiléa G Veloso, para a equipe de estudos da PrEP Brasil
Publicado online em The Lancet em 18 de Fevereiro de 2018

RESUMO

Antecedentes

PrEP Brasil foi um estudo de demonstração para avaliar a viabilidade do uso diário de tenofovir difosfato disoproxil fumarato (TDF) mais entricitabina (FTC), fornecido sem custo para homens que fazem sexo com homens (HSH) e mulheres transexuais com alto risco para o HIV, no sistema público de saúde brasileiro. Relatamos a retenção, envolvimento e adesão à profilaxia pré-exposição (PrEP) na semana 48, tendências no comportamento sexual e incidência de HIV e infecções sexualmente transmissíveis nesta coorte de estudo.

Métodos

PrEP Brasil foi um estudo demonstrativo aberto de 48 semanas que avaliou o tratamento com PrEP consistente num comprimido de TDF+FTC, em três centros de referência para prevenção e atenção ao HIV na Fundação Oswaldo Cruz no Rio de Janeiro e Universidade de São Paulo e Centro de Referência e Treinamento em DST e AIDS em São Paulo. Os participantes elegíveis eram HSH e mulheres transexuais HIV negativas na entrada no estudo, com pelo menos 18 anos de idade, residentes no Rio de Janeiro ou São Paulo, e que relataram um ou mais critérios de risco sexual nos últimos 12 meses (ex: sexo anal sem preservativo com dois ou mais parceiros, dois ou mais episódios de sexo anal com um parceiro infectado pelo HIV ou história de diagnóstico de infecção sexualmente transmissível [IST]). Os participantes foram atendidos nas semanas 4, 12, 24, 36 e 48 para o fornecimento de PrEP, avaliação clínica e laboratorial e teste de HIV. Autoentrevistas assistidas por computador também foram feitas nas visitas de estudo das semanas 12, 24, 36 e 48, e avaliaram o comportamento sexual e o uso de drogas. A retenção da PrEP foi definida pela participação na semana 48. O engajamento da PrEP era uma variável ordinal de cinco níveis combinando presença na visita do estudo e concentração do medicamento, e a adesão à PrEP foi avaliada pela medição das concentrações de difosfato de tenofovir em manchas de sangue seco. Modelos de regressão logística foram utilizados para quantificar a associação de variáveis com alta adesão (≥4 doses por semana). O estudo está registrado no ClinicalTrials.gov, número NCT01989611.

Resultados

Entre 1 de abril de 2014 e 8 de julho de 2016, 450 participantes iniciaram a PrEP, 375 (83%) dos quais foram retidos até a semana 48. Na semana 48, 277 (74%) dos 375 participantes tinham concentrações protetoras dos medicamentos consistentes com pelo menos quatro doses por semana:

  1. 183 (82%) de 222 participantes de São Paulo comparados com 94 (63%) de 150 participantes do Rio de Janeiro;
  2. 119 (80%) de 148 participantes que relataram sexo com parceiros infectados pelo HIV, em comparação com 158 (70%) de 227 participantes que não o fizeram;
  3. 67 (87%) de 77 participantes que usaram estimulantes em comparação com 210 (71%) de 298 participantes que não usaram; e
  4. 232 (80%) dos 289 participantes que tinham concentrações protetoras de tenofovir na semana 4, em comparação com 42 (54%) dos 78 participantes que não tinham concentração protetora na semana.

O número médio de parceiros sexuais nos últimos 3 meses diminuiu de 11,4 na inscrição a 8,3 na semana 48

Em geral, o sexo anal receptivo com os três últimos parceiros aumentou de 45% na inscrição para 49% na semana 48 (p = 0, 17, sem significação estatística), e o número médio de parceiros sexuais nos últimos 3 meses diminuiu de 11,4 na inscrição a 8,3 na semana 48 (p < 0,0013, com significação estatística). Dois indivíduos soroconverteram durante o seguimento (incidência de HIV de 51,7 por 100 pessoas-ano, IC95% (0,13-2,06); ambos os pacientes apresentavam concentrações indetectáveis de tenofovir na soroconversão.

Interpretação

Nossos resultados apoiam a eficácia e a viabilidade da PrEP em um cenário do mundo real. O oferecimento de PrEP em clínicas públicas de saúde em um ambiente de renda média pode reter altos números de participantes e alcançar altos níveis de adesão sem compensação de risco nas populações investigadas.

Financiamento

Ministério da Saúde, Conselho de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Secretaria de Vigilância em Saúde, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.

Leia também
Edições anteriores
Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Edição 31
AGOSTO DE 2017

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir

Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Edição 30
DEZEMBRO DE 2016

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir

Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Edição 29
NOVEMBRO DE 2014

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir

Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Edição 28
SETEMBRO DE 2013

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir

Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Edição 27
SETEMBRO DE 2012

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir