BOLETIM
VACINAS
E NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO - Nº 32
PUBLICAÇÃO DO GIV - GRUPO DE INCENTIVO À VIDA - Fevereiro de 2019
Edição mais recente
Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Versão Completa

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir

PrEP
PrEP pode reduzir estigma nas redes sociais
O USO DE PREP PODE REDUZIR O ESTIGMA AO HIV EM COMUNIDADES GAYS
Simon Collins, HIV i-Base, 22 de janeiro de 2018

Um estudo publicado na internet antes da impressão, no Journal of AIDS, informa que o preconceito inicial contra as pessoas que usam a profilaxia pré-exposição (PrEP) foi amplamente superado entre os usuários de aplicativos para relacionamentos sexuais em redes sociais de quatro grandes cidades dos EUA.

O estudo também descobriu que as pessoas que usaram a PrEP (aproximadamente 11% dos participantes) não demonstraram preconceitos contra os potenciais parceiros HIV-positivos. Isso contrastou com os que não usavam a PrEP, que classificaram os perfis de pessoas HIV-positivas nas redes sociais como significativamente menos atraentes e desejáveis do que os perfis de pessoas HIV-negativas ou usuárias de PrEP.

Os resultados vieram de uma pesquisa on-line aplicada em 2015, completada por quase 700 homens homossexuais e bissexuais negativos ao HIV de Nova York, Washington, Miami e Atlanta. Nessa população, não houve evidência de estigma ao interagir com o quesito raça. Mas os perfis que divulgaram o uso de drogas recreativas receberam classificações significativamente mais baixas em todos os cinco resultados (atratividade, desejabilidade, confiança, probabilidade de usar um preservativo e risco de sexo).

Embora os dados observacionais sejam sujeitos a confusão (ou seja, as pessoas que usam a PrEP podem ter sido menos preconceituosas antes mesmo de fazerem uso da PrEP), é provável que os resultados positivos relatados provavelmente estejam subestimados, dada a maior aceitação da PrEP desde 2015.

A seguir publicamos o resumo do artigo anterior traduzido.

Uma Investigação Experimental sobre HIV e Prevenção Implícita: Evidência de Benefícios Auxiliares de Uso de PrEP

Golub, Sarit A. PhD., MPH; Lelutiu-Weinberger, Corina Ph.D; Surace, Anthony M.A.

Revista JAIDS de síndromes de imunodeficiência adquirida: 13 de novembro de 2017 - Volume publicado antes da impressão - Problema - p doi: 10.1097 / QAI.0000000000001592

Antecedentes: o estigma sobre a PrEP (ou seja, as atitudes negativas em relação aos usuários da PrEP) está amplamente documentado e é considerado um obstáculo significativo para a implementação desta estratégia de prevenção. No entanto, poucos estudos examinaram o estigma da PrEP usando medidas implícitas destinadas a reduzir as características da demanda na resposta. Este estudo examinou o estigma implícito da PrEP e do HIV entre homens gays e bissexuais usando aplicativos de redes sociais geoespaciais (ou seja, “aplicativos de conexão”).

Métodos: foram apresentados aos participantes quatro perfis simulados on-line (pré-testados para comparabilidade) com cada uma das seguintes características: HIV-negativo, HIV-positivo, em PrEP ou Usuário de Drogas. Os participantes classificaram os perfis em temas como atratividade, desejabilidade, confiabilidade, probabilidade de uso do preservativo e risco do sexo.

perfis de indivíduos HIV-positivos foram classificados significativamente como menos atraentes e desejáveis do que os perfis de HIV-negativos ou usuários de PrEP

Resultados: Não houve evidência de estigma relacionado à PrEP, ou seja, os participantes não classificaram os perfis dos usuários da PrEP mais negativamente do que os perfis de indivíduos HIV-negativos que não divulgaram o uso de PrEP. No entanto, os perfis de indivíduos HIV-positivos foram classificados significativamente como menos atraentes e desejáveis do que os perfis de HIV-negativos ou usuários de PrEP. Quando a análise da amostra foi dividida segundo o histórico de uso da PrEP de cada participante, as classificações negativas dos perfis HIV-positivos permaneceram apenas entre os participantes que nunca utilizaram a PrEP. Os participantes com qualquer histórico de uso de PrEP não demonstraram diferença nas avaliações por sorologia para o HIV.

Conclusão: estes dados fornecem a primeira evidência empírica de ocorrência de menor estigma sobre as PHVA entre os usuários da PrEP. Os indivíduos que usaram a PrEP podem “ver” indivíduos HIV positivos de forma diferente do que aqueles sem história de uso de PrEP. Também, a falta de evidência para o estigma relacionado à PrEP é encorajadora e sugere que os estereótipos negativos sobre os usuários de PrEP podem não se estender a opiniões negativas implícitas sobre eles em sites e nas redes sociais.

REFERÊNCIA:
• Golub S et al. Uma investigação experimental do estigma implícito de HIV e PrEP: evidência de benefícios auxiliares do uso de PrEP. JAIDS. On-line antes da impressão. doi: 10.1097 / QAI.0000000000001592. (13 de novembro de 2017)

Leia também
Edições anteriores
Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Edição 31
AGOSTO DE 2017

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir

Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Edição 30
DEZEMBRO DE 2016

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir

Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Edição 29
NOVEMBRO DE 2014

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir

Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Edição 28
SETEMBRO DE 2013

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir

Boletim Vacinas e Novas Tecnologias de Prevenção Anti-HIV/AIDS - GIV

Edição 27
SETEMBRO DE 2012

Clique para abrir o
Boletim Vacinas em PDF.

Abrir