Notícias

BEBÊS TRATADOS APÓS NASCIMENTO PODEM ELIMINAR RESERVATÓRIO

23/06/2017 - Louise Kuhn na CROI 2017

Alguns bebês tratados dentro de dias após o nascimento podem eliminar rapidamente o reservatório do HIV

Dois estudos sul-africanos constataram que a carga viral e o DNA viral caem rapidamente em bebês que iniciam terapia antirretroviral (TAR) poucos dias após o nascimento. Isto mostra o potencial para limpar o reservatório de células infectadas pelo HIV - mas as crianças com uma resposta tão dramática ao tratamento podem ser só uma minoria. Os resultados foram replica watches apresentados em 14 de fevereiro, na Conferência sobre Retroviruses e Infecções Oportunistas (CROI 2017) em Seattle.

Eliminar o reservatório de células infectadas pelo HIV é considerado essencial para o desenvolvimento de uma eventual cura para a infecção pelo HIV, seja na forma de eliminação completa do vírus ou na forma de controle viral de longo prazo sem medicação, conhecida como cura funcional.swiss replica watches

Antecedentes: o Bebê do Mississippi

O potencial para eliminar a infecção pelo HIV em bebês tratados logo após o nascimento foi relatado pela primeira vez em 2013, quando os pesquisadores descobriram que um bebê tratado com antirretrovirais dentro de dias de nascimento parecia ter eliminado a infecção pelo HIV. Este foi o caso do chamado "bebê do Mississippi", identificado por médicos daquele estado dos EUA. Após a sua mãe testado positivo para o HIV no momento do parto, não mostrou vestígios de HIV quando testado 23 meses após o nascimento e cinco meses após a interrupção do tratamento.

Mas, neste caso, o HIV ressurgiu posteriormente. audemars piguet royal oak offshore tourbillon replica Com a idade de três anos e nove meses, os testes revelaram que o HIV era detectável e que era idêntico ao vírus isolado no momento do diagnóstico, descartando qualquer possibilidade de reinfecção (ver Boletim Vacinas 28 e 29).

Pesquisas posteriores

Os investigadores começaram subseqüentemente investigar se o desaparecimento do HIV em bebês tratados logo após o nascimento é comum, e se alguns deles experimentam o desaparecimento completo do DNA do HIV. No caso do bebé do Mississippi, o DNA do HIV permaneceu detectável a um nível muito baixo. Se o DNA do HIV se tornar persistentemente indetectável, pode indicar que o tratamento com HIV eliminou o conjunto de células infectadas pelo HIV e que o risco de rebote viral após a interrupção do tratamento será baixo.

O DNA do HIV é integrado nas células do sistema imunitário e pode permanecer inativo, ou latente, sem produzir novos vírus, durante toda a vida da célula. Se a célula for acionada para responder, o DNA do HIV será acionado para produzir novos vírus.

O reservatório de células que contêm DNA do HIV estabelece-se logo após a infecção. Portanto, para maximizar a chance de reduzir ou limpar o DNA do HIV em bebês, os pesquisadores acreditam que será necessário identificar e tratar as crianças dentro de dias após o nascimento.

Um estudo

Kirsten Veldsman, da Universidade de Stellenbosch, relatou mudanças no DNA do HIV em crianças que foram tratadas com TAR dentro de oito dias de nascimento no Hospital de Crianças Tygerberg. Ela descreveu a cinética do RNA e do DNA do HIV em cinco crianças. Em três crianças, o RNA do HIV diminuiu para menos de 100 cópias / ml em 3,3 meses. Nos dois bebês restantes, o RNA do HIV caiu abaixo de 100 cópias após 6,3 e 6,7 meses respectivamente.

O DNA do HIV caiu muito rapidamente nos primeiros 15 dias de tratamento, antes de entrar em um declínio mais gradual. A taxa média de decaimento foi de -2,3 log por mês, indicando que o DNA do HIV diminuiu 200 vezes em cada mês de tratamento.

Kirsten Veldsman observou que o DNA do HIV foi removido muito mais rapidamente nos bebês do que nos adultos, possivelmente devido à maior rotatividade das células CD4 em bebês. A segunda fase mais lenta de decaimento ocorreu, no entanto, a um ritmo mais rápido naqueles que iniciaram o tratamento no prazo de oito dias após o nascimento, quando comparados aos que iniciaram o tratamento mais tarde.

Outro estudo

Mas quão comum é uma resposta tão rápida ao tratamento? Outro estudo sul-africano relatou mudanças na carga viral depois que os bebês foram iniciados no tratamento no primeiro mês de vida.

Um grupo de pesquisa sul-africano e dos EUA tem acompanhado crianças iniciadas em TAR logo após o nascimento no Hospital Materno-Infantil Rahima Moosa, em Johanesburgo. Os bebês são testados com o teste de carga viral do ponto de atendimento (HIV Xpert) nos dias úteis, se a capacidade de pessoal permitir, ou o mais cedo possível através de um teste de carga viral de laboratório e, em seguida, iniciam o tratamento o mais rápido possível se positivo para o RNA do HIV.

Até o momento, a clínica identificou a infecção pelo HIV e iniciou o tratamento em 75 bebês como resultado de testes imediatos pós-parto. Pouco menos da metade destas crianças iniciaram TAR nos primeiros dois dias de vida (n = 30), e Louise Kuhn, da Universidade de Columbia, relatou mudanças precoces na carga viral neste grupo de crianças. O RNA do HIV (carga viral) foi testado nas semanas 1, 2, 4, 8, 12, 16, 20, 24, 32, 40 e 48. O PCR qualitativo do HIV, usado para verificar a presença de RNA do HIV na ausência de anticorpos para o HIV em pessoas recentemente infectadas, foi realizado antes do tratamento e nas semanas 24 e 48.

O grupo de pesquisa encontrou enorme variação nas respostas da carga viral. Embora um terço dos bebês tenha atingido carga viral indetectável, isto levou de 90 a 330 dias, e nos restantes recém-nascidos a carga viral sempre foi detectável ou recuperou-se após supressão inicial.

Em três bebês, o RNA do HIV deixou de ser detectável por PCR qualitativo. A Dra. Kuhn explicou: "Se eles se apresentassem para o diagnóstico de HIV, eles seriam negativos para o teste de HIV." Mais testes que ainda estão sendo analisados determinarão se esta mudança também ocorre nos níveis de DNA do HIV.

Louise Kuhn na CROI 2017. Foto por Liz Highleyman, hivandhepatitis.com
Keith Alcorn, aidsmap.com

Traduzido e adaptado por Jorge Beloqui (GIV, ABIA, RNP+)
Publicado: 15 de Fevereiro de 2017

Referências
Kuhn L et al. Treatment of acute infection in neonates. Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections (CROI 2017), Seattle, abstract 27, 2017.