Notícias

AUMENTO NO NÚMERO DE TESTES RÁPIDOS

14/05/2009 - Folha Online

Governo aumenta em 28% o envio de testes de detecção de Aids

O Ministério da Saúde aumentou em 28% o envio de testes rápidos de detecção de Aids para os Estados no primeiro trimestre deste ano, informa a colunista Mônica Bergamo na edição desta terça-feira da Folha (a íntegra da coluna está disponível para assinantes do UOL e do jornal).

No período, foram 417.935 kits para a realização dos exames --contra 326.745 distribuídos de janeiro a março de 2008. As 3,3 milhões de unidades do teste adquiridos pelo Programa Nacional de DST/Aids custaram cerca de R$ 18 milhões.

O teste é feito com o sangue coletado por meio de uma punção no dedo. O material é colocado em dois kits de testagem. Se ambos tiverem o mesmo resultado, o diagnóstico já é fechado. Em caso de divergência é feito um terceiro teste para confirmação.

De acordo com o ministério, o teste rápido tem a mesma confiabilidade dos exames convencionais e por isso não há necessidade de repetição em laboratório. Os resultados são entregues em um local reservado. Os positivos, em geral, já saem do posto do Fique Sabendo com um encaminhamento para iniciar o acompanhamento médico.

Apenas no posto de teste rápido que o ministério montou no Carnaval de Salvador deste ano detectou 14 resultados positivos entre as 609 pessoas que fizeram o exame. O percentual de diagnósticos positivos, 2,3%, é o maior já registrado em uma ação do Fique Sabendo em eventos culturais, estratégia de mobilização do Programa Nacional de DST/Aids para ampliar a testagem. A média era de 0,7%.

De acordo com o ministério, estima-se que 630 mil brasileiros tenham o vírus da Aids, mas 225 mil desse total desconhecem que são portadores do HIV porque nunca fizeram o exame.

Monica Bergamo
Com Agência Brasil