Notícias

AJUDA NA PREVENÇÃO DA AIDS

22/02/2007 - EFE

Salão de cabeleireiro em Havana ajuda na prevenção

Salão de cabeleireiro em Havana embeleza clientes e ajuda na prevenção à aids

Um novo salão de beleza de Havana lançou um projeto pioneiro em Cuba com a dupla finalidade de atender as demandas estéticas dos clientes e colaborar na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, como a aids.
O "gancho" desta iniciativa é atrair as mulheres para que se embelezem, mas "o principal objetivo é a prevenção a doenças, em particular à aids e às DST", explicou à Efe a coordenadora do Projeto Saúde "Beleza-Afrodite", Leticia Santa Cruz Pérez.
"Na verdade, o corte de cabelo é um pretexto para aproveitar e fornecer informações e recomendações a nossos clientes, sobre a importância de uma atitude responsável para evitar a transmissão dessas doenças", assinalou.
O salão "Afrodite", inaugurado esta semana, fica na comunidade Pilar-Atarés, no município El Cerro, um dos bairros mais populares e densamente povoados de Havana, onde os agentes de saúde detectaram um aumento significativo da taxa de infecção pelo vírus HIV.
O projeto, que nasceu da experiência de quinze anos de Leticia Santa Cruz como agente de saúde do Centro Nacional de Prevenção das DST/HIV/aids, tem pretensões mais amplas e atenderá também outros temas, como a toxicomania e a violência doméstica.
A especialista cubana está convencida de que o salão de cabeleireiro "é um lugar onde a mulher passa um tempo ocioso e tem a oportunidade de se relacionar e relaxar. Por isso, decidimos proporcionar educação para a saúde aqui, além da beleza física".
Ao chegarem ao salão, os clientes recebem um preservativo e o folheto "Mulher e aids", que assinala os fatores biológicos e psicossociais que tornam as mulheres mais vulneráveis à aids e que as obriga a adotar duras medidas de prevenção.
Além disso, enquanto esperam para cortar o cabelo, pintá-lo ou penteá-lo, uma televisão passa vídeos sobre o tema. Ao se sentarem na cadeira para fazer o cabelo, as profssionais capacitadas como agentes de saúde dão informações que podem servir de ponte com os especialistas.
"As cabeleireiras serão o termômetro, porque são o primeiro contato das pessoas que chegam aqui, embora haja assessores e profissionais (psicólogos e epidemiologistas) que também conversarão diretamente com os clientes", assinala Santa Cruz.
Os clientes do salão "Afrodite" começam a entender a importância da idéia. É o caso de Edilia Torrens, que reconhece a eficácia da iniciativa, porque "há muitas jovens e mães que precisam de orientação sobre aids, para transmiti-la a seus filhos".
Enquanto espera, Mayra Ramos garante que a idéia de criar um centro como este é "original", e se mostra disposta a recomendar a irmãs, sobrinhas, amigas e vizinhas que visitem o local. "Acho que nem todas sabem a importância de se proteger, apesar de termos um casamento estável", afirmou a cliente.
O centro é uma das 386 unidades da rede de barbearias estatais de Havana, e a primeira na ilha com esta dupla missão.
O projeto ainda está engatinhando, mas seus responsáveis anunciaram que pretendem incorporar um "Disque-Ajuda", além de promover filmes-debate, conferências, encontros socioculturais, pequenas encenações, apresentações de trovadores e desfiles de modas.
"Trata-se de alertar (as mulheres) sobre doenças sexuais, mas também fortalecer seu papel na família como portadoras de mensagens, de informação, educação e comunicação entre pais e filhos", explicou a diretora do Centro Nacional de Prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis, Rosaida Ochoa.
A iniciativa conta com a participação do Ministério da Saúde Pública e do Centro Nacional de Prevenção de DST/HIV/aids, da Federação de Mulheres Cubanas e de agências do sistema das Nações Unidas, como Unaids e Fundo Global, contra o HIV/aids que contribuíram com cerca de US$ 50 mil dólares.